Notícias

Se não voa na vida real, por que voa no comercial?

Se não voa na vida real, por que voa no comercial?

Se não voa na vida real, por que voa no comercial?

Criança e Consumo, projeto do Instituto Alana, pede atuação jurídica do Procon de MG para proteger o público infantil de comunicações mercadológicas abusivas.

O Projeto Criança e Consumo, por meio do Instituto Alana, denunciou a empresa Hasbro, que comercializa os brinquedos Transformers Combiner Wars e Transformers Robots in Disguise, ao Procon de Minas Gerais, por entender que a comunicação mercadológica dos produtos é abusiva e ilegal, uma vez que é dirigida ao público infantil. Na publicidade, os bonecos se transformam sozinhos em robôs e carros misturando fantasia e realidade, e, portanto se aproveitando da deficiência de julgamento e da experiência da criança.

“Na publicidade da Hasbro os brinquedos andam, pulam, correm e agem de maneira extremamente enganosa, o que não condiz com a realidade”, diz Ekaterine Karageorgiadis, advogada do Instituto Alana. “A presença do lettering [legendas] nas imagens em movimento do comercial não exclui a ilegalidade da ação, uma vez que o público telespectador é o infantil, que não tem ainda a capacidade de manter a atenção nas imagens e animações”, completa.

Veja também:
– 2015: um ano de muitas ações e desafios
– Procon de SP multa Mondelez por publicidade abusiva das “Gelatinas Royal”
– SBT é condenada por merchandising infantil na novela Carrossel

Os brinquedos são anunciados para as crianças por meio de publicidades televisivas, sites, jogos online (advergames) e aplicativos da marca para atingir o público infantil nessas diferentes mídias. No site da empresa a descrição dos brinquedos acompanha links diretos para a loja online que vende os bonecos. Além disso, estimula a coleção dos brinquedos anunciados e, consequentemente, o consumismo infantil.

O Criança e Consumo solicita ao Procon de Minas Gerais que sejam tomadas medidas jurídicas para coibir essa prática comercial, a fim de que a empresa acabe com tal abusividade e ilegalidade e deixe de realizar ações semelhantes, bem como repare os danos já causados às crianças.

Acompanhe o caso:

 

Publicado em
Tags
X