Notícias

Dicas de educação financeira para minimizar o consumismo infantil

Dicas de educação financeira para minimizar o consumismo infantil

Dicas de educação financeira para minimizar o consumismo infantil

As crianças são responsáveis por 80% das decisões de compra das famílias brasileiras. A consultora financeira Cássia D’Aquino fala sobre maneiras de minimizar este impacto.

A educação financeira é um grande desafio contemporâneo, afinal, o dinheiro e o consumo fazem parte do dia a dia das crianças desde pequenas. E, além disso, elas são alvo da publicidade, que faz apelos ao consumo, em diferentes momentos do seu cotidiano desrespeitando a legislação vigente. O Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, que este ano completa 10 anos, conversou com a especialista em educação financeira Cássia D’ Aquino para entender como os pais e responsáveis podem falar de educação financeira com as crianças e garantir que os pequenos estabeleçam uma relação mais sustentável com o consumo. Os vídeos da entrevista podem ser vistos aqui.

1- Ensine o valor do dinheiro

A educação financeira vai além do explicar que se deve gastar menos do que se ganha: os pais devem ensinar aos filhos formas de ganhar dinheiro e também como gastar de forma mais consciente, orientando que toda escolha tem uma consequência. Além disso, é preciso mostrar as vantagens de poupar, adiando os desejos imediatos, em função de um benefício futuro.
Clique aqui para assistir ao vídeo

2 – Semanada ou mesada

Outra sugestão é que os pais combinem um valor de semanada ou mesada, que deve estar dentro do orçamento familiar, e acompanhem como os filhos lidam com esse dinheiro. A consultora salienta que é importante que os adultos cumpram seus combinados sobre dinheiro e consumo, e deem o exemplo, já que as referências e modelos de comportamento são de extrema importância para o desenvolvimento da autonomia da criança.
Clique aqui para assistir ao vídeo

3 – Impactos dos pedidos dos filhos no orçamento familiar

As crianças brasileiras influenciam 80% das decisões nas compras domésticas, segundo estudo do TNS/InterScience. No entanto, não cabe aos filhos tomar decisões que possam interferir ou desorientar os rumos do orçamento familiar, e sim aos adultos. As crianças não podem assumir decisões que elas não têm condições de se responsabilizar. Uma boa dica para colocar em prática um planejamento financeiro é convidá-las a fazer as compras de supermercado, por exemplo. Os pais podem envolvê-las, concretamente, em diversas tarefas, como checagem na despensa, elaboração da lista de compras e a colocação dos produtos no carrinho, sempre orientando e explicando as escolhas.
Clique aqui para assistir ao vídeo

4 – Como reagir diante dos apelos de consumo das crianças?

Uma boa ferramenta para reagir aos apelos é ter alguma ideia do futuro que deseja para o seu filho. A partir dessa percepção os pais encontram um bom leito para o futuro dos filhos e vão perceber que uma boa dose de frustração na infância não apenas é necessária, como inevitável.
Clique aqui para assistir ao vídeo

Veja também:
– Volta às aulas: veja dicas para minimizar o consumismo
– 6 ideias para minimizar o consumismo infantil no Natal
– Com linha Carrossel, Tirol dirige publicidade à criança

5 – Consumismo infantil e estresse familiar

Brinquedos e presentes são apenas alguns dos pedidos dos filhos aos pais, que nem sempre sabem como reagir a eles. Os pais devem esclarecer os limites da realidade financeira doméstica, mas, para isso, não é preciso expor os filhos a complexidade do problema, e sim explicar as prioridades familiares e viver de acordo com elas. Essa coerência já é um bom exemplo para que as crianças entendam sobre os limites financeiros da casa. Vale lembrar que dizer não, sempre que necessário, também é uma parte importantíssima no processo de educação de uma criança.
Clique aqui para assistir ao vídeo

6 – Publicidade infantil

Atualmente a publicidade faz parte do, cotidiano das famílias, pois as crianças são expostas a essas comunicações mercadológicas, que estimulam o desejo precoce de consumo, em todos os espaços por onde transitam. O ideal é que os responsáveis acompanhem, por exemplo, os programas assistidos na TV ou os jogos na internet, e estimulem os pequenos a desenvolver um pensamento crítico sobre o que lhes é mostrado, além de explicar que nem tudo o que é apresentado condiz com a realidade. O diálogo é a chave para transformação.
Clique aqui para assistir ao vídeo

7 – Papel da escola na relação com o consumismo infantil

O papel da escola no combate ao consumismo infantil é grande e por isso é de extrema importância que a instituição de ensino ofereça aos alunos um ambiente livre dos apelos de consumo como já previsto na nota técnica do MEC depois da resolução 163 do Conanda de 2014.
Clique aqui para assistir ao vídeo

Foto: Via Flikr

Um comentário em “Dicas de educação financeira para minimizar o consumismo infantil
  1. carlos says:

    “As crianças são responsáveis por 80% das decisões de compra das famílias brasileira”,esta é e a pior maneira de começar um comentario.A sociedade previamente establecida com seus pequenos valores ,faz destes pequenos consumidores cada vez mais carentes .OS PAIS SÃO OS RESPONSAVEIS ,DOER A QUEM DOER!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X