Notícias

Procon do Paraná multa Danone por publicidade infantil

Procon do Paraná multa Danone por publicidade infantil

Procon do Paraná multa Danone por publicidade infantil

Valor da multa é superior a R$ 100 mil reais; Caso teve início após Criança e Consumo constatar direcionamento das campanhas ‘Mini Dinos’ e ‘Dino Profissões’ às crianças.

O  Procon-PR multou em R$ 108.778,41 a empresa Danone, em razão do direcionamento de publicidade de produtos da linha Danoninho às crianças, por meio das campanhas ‘Mini Dinos – Poderes da Natureza’ e ‘Dino Profissões’. O caso teve início em 2015, quando o programa Criança e Consumo, do Alana, recebeu denúncias de mães preocupadas com os efeitos da publicidade nos filhos. Após constatar que as ações, de fato, desrespeitavam a legislação brasileira vigente, o Criança e Consumo encaminhou uma representação ao órgão.

A decisão do Procon-PR ressalta que toda a legislação que trata de publicidade infantil tem embasamento em pesquisas, de modo que “não se trata de mera liberalidade legislativa, mas sim do entendimento da condição biopsicosocial da criança, a qual se encontra em posição vulnerável, ainda mais se tratando de relações de consumo”. O artigo 227 da Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Crianças, o Código de Defesa do Consumidor, e a Resolução 163 do Conselho Nacional dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, consideram abusivas e, portanto, ilegais, publicidades direcionadas às crianças.

Veja também:
Publicidade nas escolas: Criança e Consumo denuncia BIC à Defensoria Pública de MG
Ministério Público de Santa Catarina pede que a marca Tirol saia das escolas
 A Europa está de olho na publicidade para crianças

“Essas campanhas tinham o objetivo de seduzir e fidelizar as crianças, para que elas conhecessem e consumissem os produtos da marca, estimuladas por elementos como embalagens e miniaturas colecionáveis. A atuação do Procon-PR deixa claro que a proteção da infância é um valor social que precisa ser respeitado, com prioridade absoluta, inclusive no mercado de consumo”, diz Ekaterine Karageorgiadis, coordenadora do programa Criança e Consumo.

Foto: via Flickr

Acompanhe o caso:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X