Notícias

PBKids compromete-se a não realizar campanha de ‘compras grátis’

PBKids compromete-se a não realizar campanha de ‘compras grátis’

PBKids compromete-se a não realizar campanha de ‘compras grátis’

Projeto do Instituto Alana enviou notificação à rede de lojas de brinquedos alertando sobre abusos na publicidade dirigida ao público infantil na promoção de aniversário da empresa.

A rede de lojas de brinquedos PBKids não mais promoverá a campanha ‘Um minuto de compras grátis’, realizada nos anos de 2015 e 2016, por ocasião da celebração do aniversário da rede. O compromisso deu-se após uma notificação enviada à empresa pelo projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, em outubro deste ano, em que foram apontados os prejuízos da publicidade e da comunicação mercadológica direcionadas ao público infantil e que ações desse tipo incentivam um consumo irresponsável na infância.

Veja também:
– Justiça suspende temporariamente multa do Procon de SP à Mondelez
– Coca-Cola decide não colocar crianças como protagonistas de suas publicidades
– Sadia realiza ações mercadológicas em escolas no Brasil

A campanha consistia em comunicações mercadológicas dirigidas ao público infantil repletas de elementos atrativos, como animações e a mascote da marca Pebê, instigando as crianças a comprarem brinquedos nas lojas da rede PBKids para que pudessem concorrer ao prêmio, que consistia em pegar o máximo de brinquedos que conseguissem em um minuto pelo valor mínimo de mil reais. Também foi desenvolvida uma comunicação transmídia, atingindo a criança por meio de publicidade em sites na internet e em redes sociais, fazendo com a que a marca estivesse presente no cotidiano delas.

“O compromisso da empresa de não mais realizar essa ação indica seu entendimento sobre a importância de preservar os direitos básicos das crianças, que devem ser respeitados em todas as suas publicidades e comunicações mercadológicas, a partir do reconhecimento da proteção integral e de sua hipervulnerabilidade, previstas no artigo 227 da Constituição Federal e em dispositivos do Estatuto da Criança e do Adolescente, Código de Defesa do Consumidor e Resolução 163 do Conanda”, explica Ekaterine Karageorgiadis, advogada do Instituto Alana.

Acompanhe o caso:

Foto: Reprodução/ Youtube

 

Publicado em
X