Notícias

Obesidade infantil: uma responsabilidade compartilhada

Obesidade infantil: uma responsabilidade compartilhada

Obesidade infantil: uma responsabilidade compartilhada

Confira o infográfico sobre obesidade em crianças e adolescentes 

 

No Brasil e no mundo, dados sobre obesidade infantil são cada vez mais alarmantes. Para entender melhor esse cenário, o Criança e Consumo desenvolveu o infográfico “Obesidade em crianças e adolescentes, uma responsabilidade compartilhada” em parceria com o Instituto Desiderata e o programa Criança e Natureza, do Instituto Alana. O material apresenta dados atualizados sobre o tema no Brasil, chamando atenção para a influência de fatores externos (ambientais, políticos, socioeconômicos e culturais), além de abordar o impacto da publicidade infantil nos hábitos alimentares e na saúde e apontar, ainda, o papel da natureza no enfrentamento desse problema de saúde pública.

 

Diversos fatores ambientais contribuem para o aumento dos níveis de obesidade em crianças e adolescentes, como informações confusas e insuficientes sobre ultraprocessados, alimentos saudáveis não acessíveis para todos, colecionáveis, pacotes posicionados estrategicamente na altura das crianças nos supermercados, publicidade infantil e, também, cidades pouco propícias a um modo de vida mais ativo. Pesquisas mostram que crianças com mais acesso a parques e que brincam em espaços abertos (em especial o brincar livre) correm menos riscos de apresentar obesidade, além de melhorar seu desenvolvimento físico, social e mental.

 

Publicidade como agravante dos níveis de obesidade infantil

A publicidade infantil de produtos alimentícios não saudáveis e de baixo valor nutricional tem contribuído para mudanças nos hábitos alimentares e, como consequência, vem gerando impacto na saúde dos indivíduos, como o aumento dos índices de obesidade e outras doenças crônicas não transmissíveis entre o público infantil. Os produtos alimentícios mais anunciados para as crianças são cereais açucarados, refrigerantes, guloseimas e doces, salgadinhos e fast food.

 

Para Livia Cattaruzzi, advogada do Criança e Consumo, “ainda que mães, pais e outros cuidadores sejam os responsáveis pelas crianças e detentores do poder de compra, as crianças exercem forte influência sobre os adultos para a aquisição de produtos no âmbito de seus lares, inclusive alimentos”. Uma pesquisa recente realizada pelo Instituto Locomotiva indica que 9 em cada 10 mães e pais são influenciados pelos filhos na compra de supermercado. Ainda, o estudo aponta que refrigerantes, achocolatados e chocolates são os produtos com marcas mais conhecidas pelas crianças. “Alimentação e saúde são direitos de todas as crianças, reconhecidos em nossa Constituição Federal. Só que alimentação saudável não é apenas uma questão de escolha individual, mas de saúde pública e que compreende diversos fatores ambientais. Nesse cenário, as empresas do ramo alimentício e o poder público têm um papel e responsabilidade na promoção e garantia da saúde das crianças, que necessitam de proteção especial e devem ter direitos assegurados com prioridade absoluta”, afirma a advogada.

 

Seminário de Obesidade em Crianças e Adolescentes

Com o objetivo de alertar sobre a obesidade infantil, o Instituto Alana participou de uma mesa do 2° Seminário de Obesidade em Crianças e Adolescentes do Instituto Desiderata. A conversa abordou o tema “Obesidade infantil em tempos de COVID 19”, com Laís Fleury, coordenadora do programa Criança e Natureza, e Livia Cattaruzzi, com mediação da diretora do Instituto Desiderata, Roberta Marques. A gravação da conversa está no YouTube do Instituto, assim como as outras mesas e discussões do Seminário.

 

Leia também

Fim da publicidade para um mundo livre de obesidade

Danone paga multa por publicidade infantil

Superior Tribunal de Justiça publica decisão que reafirma: publicidade infantil é ilegal

X