Notícias

Manobra fictícia para vender carrinho é abusiva

Manobra fictícia para vender carrinho é abusiva

Manobra fictícia para vender carrinho é abusiva

Criança e Consumo, Projeto do Instituto Alana, denuncia Candide ao Procon do CE por dirigir publicidade às criança. 

O Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, denunciou a empresa Candide, que comercializa os brinquedos da linha Garagem S/A ao Procon do Ceará | Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (DECON / CE), por entender que a comunicação mercadológica dos produtos é abusiva e ilegal, uma vez que é dirigida ao público infantil. A publicidade utiliza elementos atraentes para chamar a atenção das crianças, como presença de animações, personagens e brinquedos colecionáveis.

“A criança, por seu estágio especial de desenvolvimento, é incapaz de diferenciar um programa ou desenho da publicidade. A mistura de cenas de animação e bonecos se aproveita dessa deficiência de julgamento. Além disso, a campanha incentiva a coleção dos carrinhos anunciados e, consequentemente, estimula o consumo reiterado do produto por crianças”, explica Pedro Hartung, advogado do Instituto Alana.

Veja também:
– Ação com degustação de produto para crianças vai contra a legislação
– Se não voa na vida real, por que voa no comercial?
– Procon de SP multa Mondelez por publicidade abusiva das “Gelatinas Royal”

Os anúncios televisivos contam com a produção de efeitos que confundem o público infantil quanto à veracidade dos movimentos e manobras realizadas pelos carros de brinquedo. “A presença do ‘lettering’ sobre o caráter fictício dos movimentos nas imagens do comercial não exclui a ilegalidade da ação, uma vez que o público telespectador é o infantil, que está mais focado nas imagens e animações do que nos alertas veiculados pela empresa”, afirma Pedro.

A Candide também investiu em divulgações da linha Garagem S/A nas redes sociais e site, onde na página inicial a criança é levada a acreditar que está pilotando um carro de corrida. O site apresenta ao público infantil cerca de 50 modelos de carrinhos colecionáveis, e aposta em estratégias que evidenciam a tentativa de construir uma identidade da criança com os brinquedos a partir de jogos, vídeos e downloads para personalização do computador com wallpapers, screensaver, desktop interativo e ícones para desktop com a marca Garagem S/A.

O Criança e Consumo solicita ao Procon do Ceará que sejam tomadas medidas jurídicas para coibir essa prática comercial, a fim de que a empresa acabe com tal abusividade e ilegalidade e deixe de realizar ações semelhantes, bem como repare os danos já causados às crianças.

Acompanhe o caso:

Foto: Reprodução

Publicado em
X