Notícias

Hasbro promove linha Nerf camuflada em entretenimento

Hasbro promove linha Nerf camuflada em entretenimento

Hasbro promove linha Nerf camuflada em entretenimento

Empresa desenvolve ações publicitárias dirigidas às crianças em shoppings e lojas de brinquedos em várias cidades do Brasil.

O Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, denunciou a Hasbro, que comercializa a linha Nerf, composta de armas de brinquedo e lançadores de dardos, ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Infância e da Juventude da Capital. A representação foi feita em razão do desenvolvimento de atividades em shoppings e no interior de lojas de brinquedos em todo o Brasil, dirigidas a crianças com o intuito de promover e incentivar o desejo pelos produtos da marca.

A empresa realiza campeonatos e monta arenas em shoppings e lojas para que as crianças possam experimentar os brinquedos da linha Nerf, misturando elementos de entretenimento e cunho comercial. Em alguns eventos, a Hasbro distribuiu produtos com seu logo e vales para aquisição de seus brinquedos. Além disso, foram feitas ações dentro de espaço escolar e nas redes sociais com o intuito de atingir as crianças nos mais variados ambientes de seu dia a dia.

Veja também:
– Estrela eleva classificação etária do Super Banco Imobiliário e Super Jogo da Vida
– MP do Rio vai investigar ação publicitária da Mattel 
– Publicidade da Danone no dia a dia das crianças

Vale ressaltar ainda que a representação também se refere a linha Nerf Rebelle direcionada para meninas. Além de segmentar seus produtos de acordo com gênero, a empresa realizou ações limitadas à participação de meninos, estimulando a concretização de valores estereotipados.

“As atividades de entretenimento e competições promovidas pela empresa são permeadas pelos símbolos da marca, incentivando as crianças ao uso e consumo de seus produtos. Além disso, algumas ações estimulam a segregação de gênero, seja por diferenciar brinquedos de meninos e de meninas ou por limitar a participação de meninas nos campeonatos. Essas ações desrespeitam os direitos da infância como o artigo 227 da Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), o Código de Defesa do Consumidor e a Resolução 163 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda)”, ressalta Ekaterine Karageorgiadis, advogada do Instituto Alana.

Foto: Reprodução/ Facebook

Acompanhe o caso:

 

X