Notícias

Lançada campanha #EstudantesNãoProdutos: serviços de ensino on-line possibilitaram a vigilância de crianças e adolescentes durante pandemia

Lançada campanha #EstudantesNãoProdutos: serviços de ensino on-line possibilitaram a vigilância de crianças e adolescentes durante pandemia

Lançada campanha #EstudantesNãoProdutos: serviços de ensino on-line possibilitaram a vigilância de crianças e adolescentes durante pandemia

A pesquisa “Como eles ousam espiar minha privacidade?”, divulgada pela Human Rights Watch em maio, evidenciou que a maioria dos serviços de tecnologia educacional (EdTech) endossados por 49 países, incluindo o Brasil, violaram os direitos de crianças e adolescentes durante a pandemia. Isso já que essas plataformas vigiaram estudantes ao coletar indevidamente seus dados pessoais. Na última terça-feira (12), foi lançada a campanha #EstudantesNãoProdutos nas redes sociais para mobilizar a sociedade quanto a esse desrespeito inaceitável à privacidade das crianças e dos adolescentes.

 

Dos 163 serviços de EdTech analisados, 89% vigiaram ou poderiam vigiar crianças e adolescentes, surpreendentemente, inclusive fora do horário escolar. Muitas plataformas de educação coletaram informações sobre os estudantes como, por exemplo, de onde são, o que fazem durante a aula, quem são seus familiares e amigos e que tipo de dispositivo suas famílias poderiam pagar para que pudessem seguir o ensino on-line.

 

“Crianças, adolescentes, mães, pais, responsáveis legais e professores foram deixados no escuro em relação às práticas de vigilância de dados dos sistemas de aprendizagem on-line que revelamos. Entendendo como essas ferramentas de aprendizagem lidaram com a privacidade das crianças, as pessoas podem exigir proteção on-line mais eficientemente.” Hye Jung Han, pesquisadora de direitos de crianças e adolescentes e tecnologia da Human Rights Watch.

 

Nesse sentido, a Human Rights Watch lançou a campanha global #StudentsNotProducts – #EstudantesNãoProdutos. Mães, pais, responsáveis legais, professores, adolescentes e todos aliados são chamados a fim de exigir proteção on-line para estudantes.

 

“Sem dúvida, crianças e adolescentes não são produtos. Os governos deveriam adotar e aplicar leis modernas de proteção de dados infantis para impedir a vigilância de crianças e adolescentes por atores que não colocam os seus interesses em primeiro lugar”. Hye Jung Han

 

Leia também

“Crianças são muito prejudicadas pois usam aplicativos feitos por pessoas que sequer refletem sobre suas necessidades” disse Frances Haugen em evento promovido pelo Criança e Consumo

Kit de ferramentas quer tornar realidade global a segurança de crianças e adolescentes na Internet

Criança e Consumo se une a organizações internacionais para garantir maior proteção on-line infantil em todo o mundo

X