Notícias

Divino Fogão recebe notificação por dirigir publicidade às crianças

Divino Fogão recebe notificação por dirigir publicidade às crianças

Divino Fogão recebe notificação por dirigir publicidade às crianças

Em parceria com a Maurício de Sousa Produções, rede de restaurantes oferece brinquedos colecionáveis da turma do Chico Bento para crianças de até 12 anos.

O Instituto Alana, por meio do Projeto Criança e Consumo, notificou a rede de restaurante Divino Fogão por direcionar estratégias de comunicação mercadológica às crianças. Em parceria com a Maurício de Sousa Produções, a rede Divino Fogão lançou a promoção “Dedoches do Chico Bento”, que entrega brinquedos colecionáveis da turma do Chico Bento para crianças de até 12 anos que consumirem refeições nos restaurantes da rede.

São oferecidas cinco opções diferentes de dedoches, com personagens do Chico Bento, Rosinha, Zé Lelé, Giselda e Teobaldo ou ainda, uma casinha (caixa) para guardá-los. Para aumentar as vendas e fidelizar as crianças à marca, além dos brinquedos que acompanham as refeições, a grande novidade da campanha é o uso de realidade aumentada, que permite a interação da criança com elementos virtuais das personagens via smartphones ou tablets.

Veja também:
– ‘Tem que ter’: Riachuelo extrapola no uso do imperativo
– Silêncio da RiHappy gera denúncia ao Ministério Público de SP
– Mães sabem: publicidade com dinossauro falante é abusiva

A publicidade da promoção é veiculada no canal infantil Cartoon Network e divulgada nas redes sociais, por meio de jogos e nos próprios pontos de venda, com ilustrações dos personagens, estimulando as crianças a colecionar os dedoches. “A campanha publicitária da empresa faz um apelo de consumo direto à criança. A linguagem adotada e os elementos utilizados, como brinquedos, personagens e desenhos animados, associam a marca a momentos de brincadeira e diversão, abusando da hipervulnerabilidade infantil e contrariando a legislação vigente”, ressalta Ekaterine Karageorgiadis, advogada do Instituto Alana.

Na notificação, o Criança e Consumo solicita a empresa que cesse essa comunicação mercadológica direcionada para a criança e futuramente deixe de realizar ações semelhantes.

Acompanhe a ação:

Foto: Reprodução/ YouTube

X