Notícias

Coalizão internacional exige fim do rastreamento de dados de crianças

Coalizão internacional exige fim do rastreamento de dados de crianças

Coalizão internacional exige fim do rastreamento de dados de crianças

Em carta, Instituto Alana e mais de 20 organizações e especialistas de todo o mundo pedem que empresas gigantes de tecnologia cessem a exploração comercial infantil no ambiente digital

 

O Instituto Alana, por meio do Criança e Consumo, se uniu a mais de 20 organizações, entre elas 5Rights Foundation e Global Action Plan, encaminhando uma carta ao Google, Facebook, Apple, Amazon e Microsoft, em 18 de setembro de 2020, exigindo que essas gigantes de tecnologia parem de coletar dados de crianças e adolescentes para segmentação de publicidade. Além disso, a coalizão pede, ainda, que essas empresas parem com a exploração comercial infantil em ambiente digital e que adotem medidas para garantir uma experiência digital segura para crianças.

 

A carta é parte da campanha “Stop Targeted Advertising to Kids” (“Parem de Direcionar Publicidade para Crianças”, em tradução livre) da Global Action Plan, que argumenta que a publicidade comportamental online acelera o consumismo, prejudicando o bem-estar e aumentando a tensão já perigosa no planeta.

 

O documento pondera que as empresas de ad-tech coletam 72 milhões de pontos de dados sobre uma criança, até ela chegar aos 13 anos de idade. Isso demonstra a dimensão do desrespeito pelas leis de proteção de dados, vigentes em diversos países, e o alto nível de monitoramento imposto sobre as crianças, que são rastreadas e perfiladas para que possam receber publicidade infantil ao ponto de que sua atenção seja monetizada de forma mais efetiva.

 

Vale lembrar que as crianças, em especial até 12 anos, não compreendem o caráter persuasivo da publicidade, em virtude da vivência de um processo peculiar de desenvolvimento físico, mental e social. Logo, não conseguem distinguir o que são conteúdos de entretenimento de conteúdos publicitários. Por entender a criança como hipervulnerável, a legislação brasileira já proíbe a prática de publicidade infantil em qualquer meio de comunicação ou espaço de convivência – incluindo o ambiente digital.

 

“É desigual e injusta a forma como essas empresas se aproveitam da hipervulnerabilidade das crianças para explorá-las comercialmente, principalmente nesses tempos de pandemia, em que as crianças estão cada vez mais online seja para estudar, se comunicar com parentes e amigos ou para outras atividades. Queremos que as empresas de tecnologia mais poderosas do mundo parem de minerar dados infantis e não permitam que anunciantes direcionem publicidade para esse público. As crianças possuem o direito de usar a internet com segurança e livre do abuso comercial da publicidade infantil”, diz Pedro Hartung, coordenador do Criança e Consumo.

 .

Leia também:

Por um experiência digital verdadeiramente segura para crianças

Instituto Alana no Internet Governance Forum 2019 – discussões sobre infância

Criança e Consumo contribui com Novo Comentário Geral sobre Direitos das Crianças em Relação ao Ambiente Digital da ONU

YouTube é multado por coletar dados e segmentar anúncios para crianças

X