Notícias

Adultização violenta da infância

Adultização violenta da infância

Adultização violenta da infância

Instituto Alana notifica fabricante de brinquedos DTC pela venda de produtos que estimulam a violência e a inserção da criança no mundo adulto, como linha inspirada na luta MMA.

No dia 4 de junho, o Instituto Alana enviou uma notificação à empresa DTC depois de receber uma denúncia que questionava a linha de brinquedos UFC, inspirada no esporte MMA (Mixed Martial Arts) e sua competição, o Ultimate Fighter Championship.  Indicada pelo fabricante para crianças a partir de 3 anos, a linha consta de versões em brinquedo dos lutadores reais, um octágono (ringue em que ocorrem os combates) e o cinturão (prêmio levado pelo vencedor).

O Octógono, “superdetalhado e com os logotipos dos patrocinadores do UFC”, segundo a publicidade, também expõe marcas reais justamente em meio à brincadeira, momento em que a criança está mais vulnerável e suscetível.

O tema da violência foi alvo de outra denúncia em 2010, com a publicidade do brinquedo Roma Tático Móvel, que imitava o veículo usado pelo Bope na invasão das favelas cariocas, apelidado de Caveirão. O filme comercial exibido em canais infantis mostrava crianças imitando ações policiais, transformando uma história muito violenta em uma brincadeira. As críticas à campanha foram tão intensas que o Conar pediu a sustação do comercial.

Fantasia ou realidade?

Ao avaliar a denúncia contra a DTC, o Alana verificou também a existência de outras comunicações mercadológicas dirigidas ao público infantil para a promoção de produtos da empresa como ‘Mighty Beanz’, ‘Hello Kitty Chocolateria’, ‘Xshot’ e ‘Trashpac’. Os filmes foram considerados abusivos e enganosos, já que mesclam ficção e realidade, o que faz com que a criança seja, muitas vezes, induzida a erro por não entender corretamente quais são as características e qualidades dos produtos anunciados.

As publicidades ainda promovem valores distorcidos, como o estímulo ao consumo excessivo, colecionismo, à agressividade e o fomento da crença que a felicidade e a inserção no grupo só serão alcançadas por meio da aquisição destes produtos.

No momento, aguarda-se a resposta da empresa.

Acompanhe o caso.

X