Notícias

Para ONU, publicidade infantil e ações de marketing em escolas devem ser proibidas

Para ONU, publicidade infantil e ações de marketing em escolas devem ser proibidas

Para ONU, publicidade infantil e ações de marketing em escolas devem ser proibidas

Instituto Alana é citado duas vezes no Relatório, que será apresentado na Assembleia Geral no final de outubro.

A Organização das Nações Unidas (ONU) acaba de divulgar o relatório sobre o impacto do marketing nos direitos culturais, que será apresentado formalmente no final de outubro durante a 69ª Assembleia Geral da entidade. O Instituto Alana é citado duas vezes no texto: por conta do site do Projeto Criança e Consumo, que documenta a presença constante da publicidade nas escolas, e a participação da advogada Ekaterine Karageorgiadis, do Alana, na reunião de especialistas que contribuíram com o documento.

O texto, assinado pela relatora especial da ONU sobre direitos culturais, Farida Shaheed, afirma que devem ser proibidas todas as formas de publicidade para crianças com menos de 12 anos, independentemente do meio de veiculação. O texto afirma ainda que deve-se pensar na extensão da proibição para menores de 16 anos. Para a ONU, as marcas deveriam, inclusive, parar de usar embaixadores para seus produtos.

Além de combater a publicidade voltada para as crianças, o documento diz que toda a publicidade comercial e estratégias de marketing deve ser proibida em escolas públicas e privadas, que têm que garantir que os currículos sejam independentes dos interesses comerciais.

Leia os relatórios da ONU:

– Relatório sobre o Impacto do Marketing na Fruição dos Direitos Culturais: em português
– Report of the Special Rapporteur in the field of cultural rights: em inglês
– Lista completa de documentos – Human rights reports to the 69th session of the General Assembly 2014

Foto: UN Photo/Amanda Voisard

Publicado em
Tags
2 comentários em “Para ONU, publicidade infantil e ações de marketing em escolas devem ser proibidas
  1. Arlete Ozório says:

    Sou defensora incondicional dos direitos da criança e do adolescente e torço para que as Leis as protejam.

  2. Maria de Fátima andrade Sarruf says:

    Estou de acordo com arlete Osório os direitos das crianças e dos adolescentes têm que prevalecer
    as leis tem que cumprir o seu papel de proteção ao menor que é considerado até aos 18 anos amenos que mude a lei

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X