Notícias

Audiência pública debate proibição da publicidade infantil

Audiência pública debate proibição da publicidade infantil

Audiência pública debate proibição da publicidade infantil

O assunto foi discutido por diferentes entidades favoráveis e contrárias ao projeto de lei 5921, que propõe o fim da publicidade infantil. A matéria deve ser votada pela CCJC nas próximas semanas.

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), da Câmara dos Deputados, discutiu na manhã desta quinta-feira (21), em audiência pública, o projeto de lei nº 5.921/01 que visa criar regras claras para proibir a publicidade dirigida ao público com menos de 12 anos. O debate enriquecedor, com diferentes atores da sociedade civil, contribuiu para esclarecer a questão e deixar transparentes as posições sobre o assunto. O PL 5921, autoria do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), tramita há quase 14 anos na Câmara dos Deputados. O texto tem como relator na Comissão o deputado Arthur Oliveira Maia (SD-BA) e deve ser votado pela CCJC nas próximas semanas.

O Presidente do Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR), Gilberto Leifert, falou sobre a relevância do órgão na prevenção dos “eventuais” abusos da publicidade infantil. “A publicidade brasileira vem cuidando dos consumidores com responsabilidade. A propaganda brasileira está submetida a regras mais rigorosas que a maioria dos países desenvolvidos”, defendeu Leifert. Ele também afirmou que o CONAR analisa todas as denúncias que recebe e vem atuando com bastante eficácia desde 1977, ano em que foi criado.

Mariana Sá, mãe e representante do Movimento Infância Livre de Consumismo (MILC), argumentou que recorreu ao CONAR para denunciar uma publicidade abusiva, mas não funcionou. “A gente fez uma denúncia ao CONAR, que demorou três meses para ser analisada. Isso não é rápido o suficiente”, disse. No final de sua fala, Mariana Sá pediu aos deputados que levem em consideração o apelo de grande parte da sociedade civil, pais e mães, que não são atendidos em suas demandas pelo modelo de autorregulação que existe hoje, inclusive pelo CONAR. E ainda pediu que o diálogo se mantenha aberto e que os integrantes da mesa possam conversar até chegar a uma solução que, de fato, olhe para a infância.

O desenhista Ziraldo, que também compôs a mesa, afirmou que o Brasil não precisa de mais leis sobre publicidade infantil e que a responsabilidade é dos pais. “O Brasil é de longe o que mais aprova regulações, autorregulamentações e leis nesse sentido, por isso essa lei é inútil. Deixa a sociedade, deixa o pai decidir. Filho não exige nada do pai que tem consciência de como educar seu filho”, argumentou Ziraldo.

O advogado do Instituto Alana, Pedro Hartung, participou do debate defendendo o fim da publicidade direcionada ao púbico infantil. Ele abordou a legislação vigente que defende os direitos da criança e ressaltou que elas devem ser prioridade absoluta dos interesses da Nação, como aponta o artigo 227 da Constituição Federal. “Há um projeto de país que foi desenhado desde a promulgação da Constituição Federal, em 1988, e o que a gente busca é que esse projeto seja levado a cabo. Qual é ele? Que o superior interesse da criança seja colocado em primeiro lugar pela família, pela sociedade e pelo Estado, antes de qualquer outro interesse, especialmente o comercial. O que está em jogo não é o fim da publicidade, mas o redirecionamento dela para os adultos, os responsáveis por fazer a mediação com as crianças”, explicou Hartung.

Também participaram do debate Mariana Ferraz, Advogada e Consultora do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC); Sandra Martinelli, Vice-Presidente da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA); e Otávio Luiz Rodrigues Júnior, representante da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT).

Assista ao vídeo da audiência na íntegra:

Foto: Câmara dos Deputados/ Zeca Ribeiro

2 comentários em “Audiência pública debate proibição da publicidade infantil
  1. Lara says:

    Excelente a fala do Dr. Pedro Hartung. Gratidão Instituto Alana – a luta é grande e é bom contar com guerreiros como vocês!

  2. Lílian Azevedo says:

    Perdoem-me a@s que defendem a livre iniciativa de pais e do mercado para definir o que é ou não bom para as crianças, ou para a própria sociedade. Para ser pai ou mãe não é necessário conhecimento técnico sobre teorias da comunicação, tampouco sobre estudos avançados de psicologia, sociologia, história, educação, filosofia, direito, direitos humanos etc. Sendo assim, ainda que personalidades digam que cabe a@s mães e pais decidirem sobre o que comprar para seus/suas filhos/as, só quem convive com diferentes modelos de família, ou com diferentes realidades de famílias pode dizer o que é tentar argumentar com uma criança sobre algum produto que despertou seu interesse e que ela deseja possuir. E não apenas produtos, mas hábitos e comportamentos de consumo. Que distância mantemos de um ideal de família, de um ideal do que dizer, fazer ou comprar para noss@s filh@s!! Como educadora e mãe lido diretamente com esses conflitos e lamento que ainda muita gente tome o assunto de modo superficial, defendendo posições que não conhecem, desconsiderando os debates que suscitam, terminando por colaborar com uma superficialidade opinativa que não resolve o que de fato é urgente: combate severo à adultização precoce, à sensualização da infância, à patética e insistente cultura machista que coisifica as mulheres, à violência e discriminação de gênero, já iniciando com a indústria de brinquedos e se espalhando por todo o mundo infantil. Sem infância, o que teremos? que seremos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X