Notícias

A vilã do plástico

A vilã do plástico

A vilã do plástico

Por JP Amaral*

 

Ter brinquedos na infância é uma experiência que praticamente todos nós compartilhamos. Nos apegamos, cuidamos e nos divertimos muito até que esses brinquedos sejam guardados no fundo do armário. A questão é que, cada vez mais, brinquedos têm se tornado algo superficial. Isso decorre principalmente de estratégias publicitárias que tornam o produto quase que descartável, incentivando o consumo irrefletido e seus impactos ambientais.

Uma dessas estratégias que está dando o que falar é o unboxing, termo em inglês para o ato de desembalar produtos. Para os que convivem com crianças que acessam o YouTube não seria novidade dizer que a prática virou mania entre os influenciadores digitais. Mas, é importante destacar, trata-se de uma estratégia abusiva e ilegal a partir do momento em que as empresas fazem uso de youtubers (muitas vezes youtubers mirins) para anunciar produtos a crianças.

O caso mais emblemático do momento é a LOL Surprise, bonecas colecionáveis embaladas em torno de camadas e mais camadas de plástico que devem ser removidas para que dicas sobre a identidade da boneca, itens de vestuário e adesivos sejam revelados aos poucos. É de se imaginar a excitação de uma criança durante o processo…

Para além da abusividade do ‘unboxing’ dirigido a crianças e de outras estratégias abusivas da empresa Candide, representante da LOL Surprise no Brasil, há um outro elemento pouco comentado relacionado a este ritual: o excesso de plástico descartado por esta boneca.

 

Mas por que o plástico é um problema?

Em todo o mundo, 90% dos brinquedos são feitos com plástico. Dos 25 milhões de toneladas de lixo que chegam ao mar, 60%-80% é plástico, causando a morte de incontáveis espécies marinhas. No Brasil, 41,6% do plástico produzido é destinado inadequadamente.

 

Considerando apenas o modelo LOL Surprise, que conta com 5 camadas de embalagens de plástico geradas inutilmente, estimamos que, desde o lançamento do brinquedo, teria sido produzido plástico suficiente para dar quase 24 voltas em torno da Terra.

 

O unboxing, a boneca LOL e suas consequências socioambientais nos traz um alerta para mais um mecanismo do mercado direcionado às nossas crianças e baseado no excesso. E assim, nos colocando cada vez mais longe da ideia do brinquedo como ferramenta de construção do nosso imaginário e da nossa memória afetiva. Se estamos realmente considerando o bem-estar das nossas crianças e a garantia de um futuro saudável e sustentável para elas, precisamos considerar os impactos ambientais dos estímulos de consumo gerado pelas empresas fabricantes de brinquedos. Que fique a provocação e a sugestão de denúncia a mais esse abuso.

 

*JP Amaral é mobilizador no programa Criança e Consumo

3 comentários em “A vilã do plástico
  1. Mônica Pilz Borba says:

    Jp excelente texto. Parabéns ao CeC por trazer essas questões tão importantes a tona do debate sobre consumo e meio ambiente. Pergunta quanto CO2 produz uma boneca lol comparada a uma outra???

  2. Cristine Nogueira Nunes says:

    Excelente matéria. Compartilhei em minhas páginas. Quero porém sugerir que a fonte utilizada para o texto seja mudada, pois está muito clara, dificultando a leitura (minha tela é grande e com ótima definição, mas falta legibilidade). Complementarmente, aumentar a entrelinha facilitará a leitura. Parabéns e sigo acompanhando atenta a essas publicações.

    • Comunicação Criança e Consumo says:

      Olá, a equipe do programa Criança e Consumo agradece o seu comentário. Entendemos que o seu esforço no compartilhamento das nossas matérias é essencial para o debate sobre a publicidade infantil. Acerca da sua sugestão, ficaremos atentos à maneiras de tornar o site mais acessível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X