Coca-Cola e Avon Cosméticos Ltda. – Promoção Colecione Elogios (outubro/2007)

As empresas Recofarma Indústria do Amazonas Ltda., mais conhecida como ‘Coca-Cola’, e Avon Cosméticos Ltda., lançaram a promoção “Colecione Elogios” no final de agosto de 2007. Para participar, era necessário juntar seis pontos, obtidos por meio das tampas dos produtos Coca-Cola – sendo que as brancas valiam um ponto e as vermelhas, dois – e pagar o valor de R$7,50. Assim, o consumidor receberia um copo da marca Coca-Cola e um produto da marca Avon.

No comercial da promoção havia um diálogo entre duas meninas elogiando a beleza da mãe. Uma delas, deitada na cama, estava com o copo da Coca-Cola; a outra, em frente ao espelho, estava com um batom da marca Avon nas mãos. A campanha cometia ao menos dois abusos: de associar o consumo de alimento, no caso bebida com valor nutricional inadequado ao consumo infantil, à aquisição de brindes; o de enaltecer qualidades supérfluas, tal como a beleza física e estética.

O Instituto Alana, por meio do Projeto Criança e Consumo, encaminhou notificação às duas empresas pedindo a suspensão da campanha. Ambas manifestaram-se formalmente alegando que o comercial em questão só havia sido veiculado até o dia 5.10.2007 e que a referida promoção não seria abusiva porquanto não era dirigida ao público infantil, mas sim às mães. Discordando dos motivos das contra-notificações recebidas, o Projeto Criança e Consumo enviou em 13.12.2007 representação ao Ministério Público de São Bernardo do Campo, que após avaliar o caso, remeteu-o ao Ministério Público da Capital.Após análise, o órgão entendeu pelo arquivamento do caso.

Arquivos Relacionados:

4.10.2007 – Notificação encaminhada pelo Projeto Criança e Consumo às empresas Coca-Cola e Avon 

23.10.2007 – Resposta encaminhada pela empresa Avon Cosméticos Ltda. ao Projeto Criança e Consumo 

29.10.2007 – Resposta encaminhada pela empresa Recofarma Indústria do Amazonas Ltda. (Coca-Cola) ao Projeto Criança e Consumo 

10.12.2007 – Representação encaminhada pelo Projeto Criança e Consumo ao Ministério Público de São Bernardo do Campo 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *